Páginas

20 de fevereiro de 2012

Solidão, Uma Nova Doença


O coração alegre é bom remédio. Provérbios 17:22





Ficamos chocados ao assistir ao noticiário local, que apresentava uma reportagem sobre um acontecimento nos subúrbios. A polícia havia encontrado uma senhora de 73 anos de idade, morta em sua casa. O fato pavoroso foi que ela já estava morta fazia quatro anos, e ninguém havia sentindo falta  dela! Todos os vizinhos apresentavam desculpas. Não a haviam visto ultimamente, e achavam que poderia estar hospitalizada.
      "Sim, eu cortava a grama para ela quando cortava a minha, sem problemas" disse o vizinho mais próximo. E acrescentou: " Não; nunca conversei com ela; parecia que ela não queria conversa com ninguém."
      Embora seus dois irmãos morassem do outro lado da cidade, parece ter havido algum tipo de desavença familiar.
      É difícil acreditar nessa história, mas a realidade nua e crua nos foi apresentada. Conhecemos nossos vizinhos? Acenamos, sorrimos ou fazemos algum tipo de contato? Sentiria você falta de seus vizinhos se algo lhes acontecesse? Mais triste ainda seria se eles não sentissem nossa falta.Este é um mundo de pessoas ocupadas e famílias divididas, e provavelmente muitos de nós pensemos que nosso tempo é suficiente apenas para as tarefas importantes.
     Alguns anos atrás, minha amiga Sarah estava morrendo de câncer e seus familiares a acompanharam no hospital o tempo todo.Perguntaram-me se eu podia ficar com ela por uma noite e respondi: " Com prazer." Mas foi com hesitação que entrei no seu quarto, onde as luzes eram fracas.
     Procurei fazer com que ela se sentisse confortável e vi que, de certo modo, ela percebia que era eu. O importante é que ela não queria ficar sozinha naquele momento. Morreu algumas noites depois, rodeada pelos familiares. Nunca me esquecerei daquele quarto escurecido no qual Sarah estivera tão mal.Dentro de mim surgiu um pensamento: Não quero morrer sozinha.
    Também não quero viver sozinha. Quero um sorriso do funcionário e um Olá da vizinha, e desejo retribuir essas saudações. Quero fazer o que for possível para tornar este mundo um lugar de amizade e luz.

DESSA WEISZ HARDIN     ( Meditação da Mulher por Rosi Otis ) 

Muito triste a  história dessa senhora , a maneira como  terminou sua vida. A minha e a sua pode ser bem diferente, depende de nossas atitudes. O que temos feito para que a nossa história tenha um final feliz?                                                     

2 comentários:

Malu disse...

Oi querida! seu site está ficando muito fofo. Parabens

viver fazendo artes disse...

Fico muito agradecida por seu carinho, viu!Ainda tenho muito o que aprender ( rsrsr ).Eu sempre dou uma olhadinha no seu site, e encontro tudo o que eu preciso pra auxiliar minhas crianças na Igreja.Seguir vc é um prazer!Obrigada por me seguir tbm.Um forte abraço de sua irmã na fé.